Salte a conteúdo principal

Hitachi

Hitachi

Hitachi no Brasil

Inspirando jovens e crianças para as oportunidades da Nanociência.

Inspirando jovens e crianças para as oportunidades da Nanociência

Inspirando jovens e crianças para as oportunidades da Nanociência.

Medicina e Ciência
  • Educação
  • Brasil

Hitachi High-Technologies do Brasil integra projeto inédito com microscópio portátil, compacto e de fácil manuseio.

Projeto educacional do SESI e SENAI de São Paulo busca a formação de mão de obra para suprir demanda futura das indústrias com o uso da nanotecnologia.

O SESI – Serviço Social da Indústria, dedicado a atividades sociais, e o SENAI – Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial, focado na formação de mão de obra para as indústrias são instituições nacionais sem fins lucrativos que preparam e capacitam trabalhadores para atender as demandas de mão de obra da indústria brasileira. Após uma pesquisa sobre tecnologias emergentes e importantes para o país, o SESI de São Paulo (SESI-SP) e o SENAI de São Paulo (SENAI-SP) perceberam na Nanotecnologia uma grande oportunidade de investir em conhecimento e influenciar a formação de jovens e crianças. O resultado foi a criação do Nanomundo, um projeto inédito com o objetivo de promover a educação profissional e tecnológica, a inovação e a transferência de tecnologias industriais, contribuindo para elevar a competitividade da indústria brasileira.

Desafio: formar novos cientistas, despertando o interesse de jovens e crianças pelo estudo da nanotecnologia por meio de experiências práticas.

SESI/SENAI-SP - Desafio

A maioria dos estudantes brasileiros tem se formado em profissões relacionadas a disciplinas humanas. Diante disso, o projeto precisava de um formato instigante para estimular o interesse pelas ciências. Surge a ideia das Escolas Móveis de Nanotecnologia e, com ela, novos desafios.

Solução: microscópio TM3000, da Hitachi, integra laboratórios originais e altamente tecnológicos.

SESI/SENAI-SP - Solução

Através da consultoria da distribuidora dpUNION, a equipe de inovação do SENAI de São Paulo (SENAI-SP) foi apresentada ao Microscópio Eletrônico de Varredura Hitachi TM3000, um equipamento portátil, compacto e de fácil manuseio, ideal para os moldes das escolas móveis do projeto Nanomundo.

Resultados: milhares de jovens capacitados e incentivados com a nanotecnologia.

SESI/SENAI-SP - Resultado

Mais de 23.000 pessoas já passaram pelas escolas móveis do projeto, entre público comum, alunos do SESI-SP e SENAI-SP e representantes de diversos países.

Próximos passos: aumentar o número de alunos atendidos, desenvolver nossas indústrias e beneficiar a sociedade por meio das inovações da nanociência.

SESI/SENAI-SP - Próximos Passos

Projeto estima atender 55 mil crianças por ano no curso de Nanoesclarecimento e 6 mil jovens por ano no curso de 20 horas práticas semanais.

Ampliando o conhecimento científico e a competitividade do Brasil através da Nanotecnologia.

Dê play no vídeo "Estudo de Caso: SESI/SENAI-SP - overview" (1min. 34sec.)

O SESI (Serviço Social da Indústria), dedicado a atividades sociais e o SENAI (Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial), focado na formação de mão de obra para a indústria, são instituições nacionais sem fins lucrativos que preparam e capacitam trabalhadores para atender as demandas de mão de obra da indústria brasileira. Seus cursos em diferentes disciplinas e níveis de aprendizado exercem um forte papel social, colaborando para melhorar a vida do trabalhador e manter o Brasil como um dos grandes polos competitivos no mundo.

Com uma postura sempre visionária, comprometida com o futuro de nossas indústrias, as unidades do SESI-SP e SENAI-SP iniciaram em 2010 uma ampla pesquisa sobre tecnologias emergentes e importantes para o país. Deste estudo, surgiram seis áreas de foco: Nanotecnologia, Biotecnologia, Design, Tecnologia da Informação e Comunicação, Microtecnologia e Novos materiais.

Nanotecnologia se destaca e ganha programa exclusivo do SESI/SENAI-SP.

A Nanotecnologia vem promovendo descobertas revolucionárias em setores como medicina, eletrônica, higiene, cosmetologia, têxtil, entre outros, inovando modelos e processos de produção tradicionais em todo o mundo – o que é essencial para o desenvolvimento das indústrias e das nações.

Hoje, mais de 60 países já investem em projetos próprios ligados ao estudo dessa ciência (fonte: ABDI – Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial). Estima-se que o mercado de produtos que incorporam Nanotecnologia tenha alcançado US$ 263 bilhões em 2012, podendo atingir US$ 1,5 trilhão em 2015 (fonte: MDIC – Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior). Esses produtos vão desde roupas com propriedades repelentes e medicamentos mais eficazes até materiais extremamente leves e resistentes, tendo inúmeras aplicações em diversas indústrias.

Percebendo esse horizonte de possibilidades, o SESI-SP e SENAI-SP elegeram a Nanotecnologia como prioritária no desenvolvimento da indústria, concebendo o Programa de Educação em Nanociência e Nanotecnologia, também chamado de Nanomundo – um projeto inovador voltado a alunos dos ensinos Fundamental e Médio do SESI e dos cursos técnicos e tecnológicos do SENAI-SP.

Prof Walter Vicioni - SENAI-SP

O Programa é uma das atividades relacionadas com a necessidade do Brasil, do Estado de São Paulo e de instituições sérias, como o SESI e o SENAI, de promover a formação de uma nova liderança em ciência e tecnologia.

pontua Walter Vicioni, professor, superintendente do SESI-SP e diretor regional do SENAI-SP.

SENAI-SP inova sua tradição em escolas móveis.

Com uma grande expertise, tradição e pioneirismo em escolas itinerantes – O SENAI-SP conta com mais de 70 unidades móveis disponíveis para formação profissional –, distribuidas por todo o estado de São Paulo. O SENAI aproveitou esta expertise como estratégia inicial de ensino para o projeto de Nanociência e Nanotecnologia.

Essas escolas são verdadeiros laboratórios que proporcionam aos alunos a completa interação, entendimento e aplicação da Nanotecnologia por meio de experimentos práticos e equipamentos adotados pelas mais avançadas empresas de desenvolvimento nanotecnológico.

“A nanotecnologia é um conhecimento transversal a diferentes áreas do conhecimento. Ela está presente na biotecnologia, na indústria têxtil, na indústria farmacêutica, na indústria de cosmético, enfim, é uma tecnologia que transita em diferentes áreas. Por isso, nós entendemos que a gente não deveria ter apenas uma escola fixa”, diz o professor Walter Vicioni.

Hoje, o projeto Nanomundo já conta com cinco escolas móveis levando experiências de alta tecnologia para diversos municípios de São Paulo, atendendo diferentes públicos em diferentes vertentes. Sua vertente principal – a educacional – inicia-se no ensino fundamental e tem estratégias distintas para cada fase escolar.

Didáticas e conteúdos são customizados para cada foco do projeto.

Para crianças do Ensino Fundamental, o projeto oferece exposições de Nanoesclarecimento com conceitos de fácil assimilação, demonstrados a partir de experiências simples (por exemplo, ampliar a garra de uma lagartixa para mostrar por que ela adere às mais diversas superfícies). Dessa forma, as crianças são apresentadas à visão da escala nanométrica (10-9) e entendem como a Nanociência está presente em seu dia a dia, sendo despertadas para o estudo desta e outras ciências.

Para os jovens do Ensino Médio, o conteúdo é formalizado através dos cursos de Nanoimersão com 20 horas semanais. Os cursos começam com uma introdução teórica em sala de aula e, posterioremente, encaminham os alunos para as escolas móveis, onde eles aplicam seus conhecimentos em diversos experimentos práticos, comprovando a importância da Nanotecnologia em produtos do nosso dia a dia, como protetores solares, sapatos, roupas e medicamentos.

“Mais do que ensinar ciência, nós queremos que nossos alunos façam ciência, se sintam plenamente à vontade com ela, que tenham ambientes que favoreçam esse fazer, que favoreçam esse melhor entendimento ao manipular objetos, instrumentos, microscópio. É uma outra visão para a educação básica do SESI e do SENAI”, explica Walter Vicioni.

O projeto também está aberto à prestação de serviços para empresas e indústrias interessadas em realizar pesquisas ou programas de capacitação de seus colaboradores.

“As escolas móveis não estão destinadas única e exclusivamente para os nossos alunos. Elas também se destinam a formar programas de capacitação, de qualificação profissional para a indústria, indo aonde houver essa demanda”, completa o professor Walter.

Hitachi High-Technologies do Brasil inicia sua relação com o projeto.

Através de sua distribuidora de microscopia, a dpUNION, a Hitachi High-Technologies do Brasil iniciou seu relacionamento com o projeto Nanomundo apresentando produtos de alta tecnologia, qualidade e mobilidade, como o Microscópio Eletrônico de Varredura TM3000.

Usando Microscópio para Fazer a Grande Diferença no Ensino de Ciência e Tecnologia (STEM Education)

Atualmente, há uma grande preocupação de que estudantes americanos não estão recebendo a educação adequada nas matérias de matemática e ciências. Emprestando o microscópio TM3000 para escolas e universidades pelo país, a Hitachi espera ajudar alunos e professores a se interessarem mais por ciências.

Leia o Estudo de Caso completo (inglês)

Início da Página